terça-feira, 3 de abril de 2012

Recoleta em maravilhosas fotos!


 Buenos Aires
A maioria das ruas e avenidas da cidade é plana e super arborizada. O visual mescla o moderno e o tradicional, com um charme único. Um dos passeios imperdíveis é conhecer o lado
 histórico do bairro Recoleta – a pé, claro. 
                                    

A Recoleta é um pedacinho de Paris em Buenos Aires. Suas grandiosas mansões, jardins e parques em estilo francês comprovam a afirmação, frequentemente repetida pelos fãs do bairro. Durante as epidemias de cólera e febre amarela na década de 1870, a população da cidade se dividiu para evitar o contágio. As classes populares se instalaram na zona sul, enquanto os mais endinheirados se estabeleceram na Recoleta – a altura do terreno ajudava a reduzir a incidência de insetos. E foram essas famílias que consagraram a arquitetura da região. 

RECOLETA, 
BUENOS AIRES


A Recoleta foi concebida a inícios do século XVIII como um espaço para o retiro e orações de freires, monges e religiosos franciscanos. Funcionava o Convento dos Padres Recoletos. Em 1716 se constrói a atual igreja Nossa Senhora del Pilar.Só em 1830 redesenha-se o aspecto urbano atual para albergar as numerosas famílias vindas de San Telmo por causa da epidemia da febre amarela.


O espaço mais característico da Recoleta é, sem dúvidas, o cemitério, famoso pela majestuosidade de seus mausoléus, seu charme e a prosápia de quem ali descansam. 
Curiosamente, Recoleta é também a zona de maior concentração de opções para o lazer dos jovens da cidade. Destaca-se a elegância e o valor arquitetônico de muitos dos prédios de estilo clássico. 
Seguindo pela Cerrito, a um quarteirão dali está a Embaixada da França, instalada no Palacio Ortiz Basualdo, de 1912. O edifício já foi residência de Eduardo VIII, príncipe de Gales, em 1925, e em 1939 passou a pertencer à França, que ali instalou sua embaixada. 
embaixada-da-franca.jpgPalacio Ortiz Basualdo (Paul Pater 1912)Na década de 70, durante as obras de ampliação da Avenida 9 de Julio pelo governo peronista, a construção quase foi demolida, mas foi salva pelo esforço do governo francês. 
embaixada-do-brasil.jpg
Na esquina da avenida Alvear com a rua Arroyo, às margens da Plazoleta Carlos Pellegrini, está a Embaixada do Brasil. Desde 1945, os embaixadores brasileiros na Argentina têm como residência o Palacio Pereda, construído inicialmente pelo arquiteto francês Luis Martin e finalizado pelo belga Julio Dormal, em 1920. A obra foi feita sob encomenda de Celedonio Pereda, que desejava uma casa ao estilo do Museu Jacquemart-André, de Paris. A semelhança está não apenas na arquitetura exterior, como na coleção de móveis, objetos, pinturas, esculturas e no jardim. Em 1989, o governo brasileiro realizou um trabalho de restauração das obras do pintor espanhol José María Sert, compradas por Pereda nos anos 30 e que até hoje enfeitam o piso principal do palácio. Do outro lado da rua está o Palacio Unzué de Cáceres, projetado pelo arquiteto italiano Juan A. Buschiazzo, e que desde 1960 abriga a sede do Jockey Club Argentino. 









A caminhada começa na Plaza Cataluña. No cruzamento das ruas Cerrito e Posadas há um charmoso bulevar que reúne um café, um restaurante e o Four Seasons. O luxuoso hotel mantém atrás da construção moderna da torre principal o Palacio Alzaga Unzué, de 1916. O casarão hoje é conhecido como 'La Mansión e reúne suítes exclusivas reservada por hóspedes ilustres. Esse é o ponto de partida do passeio histórico pelos palácios e mansões da Belle Époque - era de beleza e inovação nos países europeus entre o final do século 19 e o começo do século 20, que também inspirou a arte e a arquitetura de Buenos Aires. 
Recoleta palacio Alzaga UNzué
Alzaga palácio-Unzue

Seguindo pela Cerrito, a um quarteirão dali está a Embaixada da França, instalada no Palacio Ortiz Basualdo, de 1912. O edifício já foi residência de Eduardo VIII, príncipe de Gales, em 1925, e em 1939 passou a pertencer à França, que ali instalou sua embaixada. Na década de 70, durante as obras de ampliação da Avenida 9 de Julio pelo governo peronista, a construção quase foi demolida, mas foi salva pelo esforço do governo francês. 

Mais um pouco do Consulado da França...



Ortiz Basualdo Palace. El Palacio Ortiz Basualdo, divulgado por sua qualidade arquitetônica. Seu criador foi o arquiteto francês Paul Pater, em 1912, com o objectivo de que era a casa de Ortiz Basualdo casamento. Casas dentro da embaixada francesa em Buenos Aires, Argentina. Arquitetura francesa influente neste palácio. Este projeto tem escalas diferentes, é considerada uma verdadeira riqueza em áreas urbanas.






Mostra um grande relacionamento entre os espaços interiores e exteriores, muitos dos elementos arquitetônicos encontrados em sua construção são de tradição francesa. Dispõe de quartos cave e em primeiro lugar. No terraço, mas sublinha o seu volume central devido aos pavilhões e asas. A composição da obra tem uma simetria muito boa, proporcionando espaçoso, tem uma torre cilíndrica, encimado por uma cúpula, feita de ardósia e zinco. oferece uma entrada inovadora a partir do exterior e no interior. Tem uma varanda redonda e um escudo quadrado. A decoração pode ser observado especificamente mármore colorido no chão, enquanto as paredes estão cobertas de madeira entalhada. Outro elemento decorativo presente no palácio é a pilastra de Corinto. Há uma escadaria de honra, e um hall. Alguns elementos decorativos no interior são o Inglês. Tem neopalladianas janelas, aberturas arcadas e pinturas de portas mais comuns. Uma das características que o destacam salões são amarrados e mostra boas proporções de vários estilos em sua decoração. As mais usadas são o gótico e renascentista. O palácio tem uma biblioteca, traseira lareira, jardim e sala de bilhar. Não é uma exposição onde você pode ver os mapas antigos do Rio de la Plata, os retratos dos embaixadores da França. Outra sala é o Ballroom, com lareira em mármore e bronze, como parte de sua decoração são as pinturas de figuras mitológicas. Da mesma forma como um elemento decorativo é o busto do rei Henrique IV, as talhas douradas, os lustres e espelhos acima dos painéis, consoles e cartuchos. Em 1970 ele foi pensado para demolir o palácio, mas isso não foi feito

Na esquina da avenida Alvear com a rua Arroyo, às margens da Plazoleta Carlos Pellegrini, está a Embaixada do Brasil. Desde 1945, os embaixadores brasileiros na Argentina têm como residência o Palacio Pereda, construído inicialmente pelo arquiteto francês Luis Martin e finalizado pelo belga Julio Dormal, em 1920. A obra foi feita sob encomenda de Celedonio Pereda, que desejava uma casa ao estilo do Museu Jacquemart-André, de Paris. A semelhança está não apenas na arquitetura exterior, como na coleção de móveis, objetos, pinturas, esculturas e no jardim. Em 1989, o governo brasileiro realizou um trabalho de restauração das obras do pintor espanhol José María Sert, compradas por Pereda nos anos 30 e que até hoje enfeitam o piso principal do palácio.
Brazilian Embassy


Fachada da neogótica Residência Maguire, construída em 1890 com materiais vindos da Escócia e detalhes medievais com influências renascentistas


A avenida Alvear é uma das mais exclusivas da cidade e em apenas sete quarteirões reúne prédios residenciais de luxo, lojas de grifes famosas, galerias de arte e palacetes históricos. Ao número 1637 está a Nunciatura Apostólica, em um palácio de 1909. A Nunciatura Apostólica, Embaixada do Vaticano, está instalada em um edifício de 1909, na Recoleta, em Buenos Aires. O palácio foi construído pela família Fernandez-AnchorenaAo lado fica o Park Hyatt Hotel, que mantém a fachada curvilínea do Palacio Duhau, 
construído pelo arquiteto francês Leon Dourge, em 1934. 
Contrastando com o estilo clássico, a mansão vizinha ao hotel é a neogótica Residencia Maguire, de 1890, que também pertenceu à família Duhau e foi declarada Monumento Histórico Nacional em 2002. Em frente está outro prédio neogótico, o Palacio Casey, que abriga a Secretaria de Cultura de la Nación. Na quadra seguinte está a Casa de las Academias Nacionales, 
O edifício que hoje ocupa a Casa das Academias Nacionais, foi originalmente concebido como rendas de casa. O projeto, concebido em 1925 pelo arquiteto Alejandro Bustillo, tem um chão e quatro andares com ambientes de telhado, que da frente aberta e traseira, organizado em torno de um pátio. A fachada, como é habitual em obras deste arquiteto é definido com simplificados elementos de ordem clássica, tais como o enchimento no piso térreo e no piso principal e termina em uma frente de poucas ornamentações. Desde 1980 existem Academias operar Ciências Morais e Políticas, Direito e Ciências Sociais, Agricultura e Ciências Veterinárias, Buenos Aires, Ciências Exatas, Físicas e Naturais, bem como as unidades da Secretaria de Cultura da Nação. Ele está localizado na Avenida Alvear, canto de Rodriguez Peña. Respeitando os princípios tradicionais da arquitetura do período, como o preenchimento na frente e vergas. Declarado Monumento Histórico Nacional pelo Decreto 1.495 de 16 de agosto de 2002, estilo neoclássico francês torna clara demonstração do espírito dos primeiros desenvolvimentos de XX. 
a Academia Nacional de Ciencias Económicas e a loja da Polo Rauph Lauren, instalada em outro monumento tombado e, sem dúvida, a mais bela loja da região. 

No próximo quarteirão, um dos pontos mais aclamados da avenida: o Alvear Palace Hotel.
 Construído em 1932, o hotel é considerado um dos melhores do mundo. Seu esplendido hall de entrada e suas suítes são decorados ao estilo francês. A boa notícia é que seus restaurantes e bares estão abertos ao público: 'La Bourgogne', com criações do Chef francês Jean Paul Bondoux, 'L´Orangerie', que aos domingos serve o mais comentado brunch da cidade, e os bares 'Lobby', aberto desde 1932, e 'Cigar', que oferece uma seleção de charutos cubanos, chocolates e licores. Ao lado do hotel está a Galería Promenade, com mais algumas boas opções de restaurantes de cozinha internacional, joalherias e lojas de grife. 

A alguns metros, o fim da avenida Alvear é brindado com a Plaza Francia. Ali está o Palais de Glace, Sede de la Dirección Nacional de Bellas Artes desde 1931, sempre com mostras e exposições de arte em cartaz. Do outro lado da praça, a Basílica Nuestra Señora del Pilar, de 1732, é avistada. Uma das mais antigas da cidade, essa igreja traz em sua história uma curiosidade sobre o bairro. O nome Recoleta vem da ala francesa dos Franciscanos conhecida como Padres Recoletos, que escolheu a região para construir uma capela e um mosteiro. Ao lado da igreja está o Centro Cultural Recoleta, com 20 espaços de exposições. Do outro lado, o Cementerio de la Recoleta, inaugurado em 1822. Durante o final de semana, a Plaza Francia abriga uma das mais importantes feiras de arte e artesanato da cidade. 

Na divisão das avenidas Libertador e Figueroa Alcorta está o Museo Nacional de Bellas Artes, que ocupa um prédio histórico de 1870 e abriga a maior coleção de arte do país, e o imponente prédio da Facultad de Derecho, de 1949, que tem em seu pátio a Floralis Genérica, inaugurada em 2002 pelo arquiteto argentino Eduardo Catalano. Suas seis pétalas abrem ao amanhecer e fecham ao pôr-do-sol, num espetáculo perfeito para encerrar a caminhada.

GABRIELA BORGES
Colaboração para o UOL Viagem


Nenhum comentário:

Postar um comentário